Soltinho

Soltinho

Não sabemos ao certo onde e como o soltinho foi criado, mais que foi aqui no Brasil, isso não há dúvidas. Em nossa pesquisa encontramos a dança como uma variação do Eastern Country Swing Americano, sendo que o soltinho tem a marcação do passo básico para os dois lados. Também foi chamado em algumas fontes de swing ou rock brasileiro. É uma dança que junta a ginga e o improvisação brasileira ao rock e o swing dos EUA.

Não sabemos ao certo onde e como o soltinho foi criado, mais que foi aqui no Brasil, isso não há dúvidas. Em nossa pesquisa encontramos a dança como uma variação do Eastern Country Swing Americano, sendo que o soltinho tem a marcação do passo básico para os dois lados. Também foi chamado em algumas fontes de swing ou rock brasileiro. É uma dança que junta a ginga e o improvisação brasileira ao rock e o swing dos EUA.

Fisiologicamente falando, o soltinho é uma dança muito mais sadia que o swing americano, pois é simétrico, ou seja, o mesmo movimento que é feito para um lado é feito para o outro o que não sobrecarrega diferentemente uma ou outra parte do corpo, afirma o professor William Santos da CPED.

O primeiro ponto a ser esclarecido é que, diferente da maioria dos outros ritmos (como o samba, o tango ou o rock), o soltinho não tem é apenas dança, não tendo música característica. Não se pode afirmar: esta música é um soltinho, e sim, esta música pode ser dançada como soltinho. E que músicas são essas? Todas as que tenham balanço, que normalmente eram dançadas separadas. Experimente entrar em uma loja de CDs e pedir um de soltinho. Se o vendedor for honesto (e não fizer aula de dança) dirá que não sabe o que é, pois o termo é conhecido apenas no mundo da dança de salão.

No Rio de Janeiro o soltinho começou a ser dançado a partir da década de 80. Nos salões paulistanos ele começou a ser dançado no início da década de 90, pegando carona com o sucesso do samba de gafieira e do bolero vindos do Rio de Janeiro. O ritmo é contagiante pela sua relativa facilidade no aprendizado (não necessita da técnica do samba de gafieira ou do tango), pelos giros e alegria dos passos e pela improvisação no estilo. Além disso, o soltinho pode substituir outras danças: pode se dançar um swing, um rock lento ou mesmo um fox-trot.

Resumindo tudo, para se esbaldar com o soltinho o mais importante é a sua inspiração, alegria e vontade de dançar e é claro aquela música que faz seus pés se movimentarem sozinhos e que no embalo leva todo seu corpo para o salão.

Venha para a CPED e descubra o soltinho e todas as demais danças do MUNDO CORPOS EM PAR.